Online


5 de julho de 2009

Abrindo o Baú

Desde o ventre de minha mãe que Deus me escolheu...
Mesmo pequenina Ele já me guardava...

Escolheu a família que cuidaria de mim...
E apesar de tudo o que o diabo fez para destruir-nos...
Deus forjou em minha mãe uma guerreira.

Enfrentamos muitas dificuldades e privações...
Mas nunca deixamos de ter fé...
E por falar em fé... minha família tinha muita, porém...
NÃO CONHECIA O REINO DE DEUS.


A família era numerosa e estava sempre por perto....
A mesa de almoço era bem comprida, mais a refeição era em silêncio.
Os vizinhos admiravam o fato de uma casa com tantas crianças não ser barulhenta nas refeições.
Eu, hein! Quem desafiava o olhar de minha vó Lucy ou de minha mãe?
É ruim..!

Infância proveitosa apesar de muito pobre...
Fui moleca na infância: Banho de maré na 'prainha' (quase sempre escondido), pipa, futebol (me diziam que eu era craque!), desafio às vacas do “Pasto”, lá estávamos nós - os netos de D. Lucy - nos divertindo.


Tudo era pretexto para brincarmos:
Se os adultos iam lavar o Balbino (a escola em que minha mãe trabalhava), lá estávamos nós “ajudando”; só para nos molharmos com a mangueira e deslizarmos na espuma.

Quando era para ajudar a varrer as salas, aproveitávamos a vassoura para fazer balanço, malabare ou motorzinho. Nos divertíamos pra valer!

Éramos a Liga da Justiça, o Capitão Caveeeeeerna! Êta Paulo que corria!
A comidinha na casa de palha de dendê no fundo do quintal com minhas primas.
O pé de abio, de abacate, de lima, de cajarana... a cisterna.
As histórias de assombração...

Nem sempre tínhamos o que comer, mas nos amávamos e era este amor que nos fazia ter esperança.

Com o passar dos anos os amigos foram sendo conquistados.
CARLOS KLEBER, TARCÍSIO, CÉSAR ULISSES. MAGALY, SANDRA, AGASSIMONE.

Quantos passeios de canoa escondidos!
“Vamos pegar carangueijos?” Dizia o Arouca. E lá ia eu no meio dos maiores.
Não pegava um sequer. Tinha medo. Mas sempre chegava em casa com uma corda dos bichos na mão.
“Toma mãe o que o pessoal me deu”.
Funcionava. Assim minha mãe não brigava.

ADRIANA, LISA, JOVENA. BETE, JULIANA, GENI, KENEDY, CRISTIANO, CASSIMÁRIA. Adolescência...

MARI, LENE, LUCINEIDE, AYDIL. Juventude e ideologia


E estudei... CRISTIANA, ANA FREITAS, VÂNIA, MARLENE, YARA, CLAUDINE.. colegas queridas ... JUCÉLIA, MARTINHA, MARINALVA... Como esquecer Marinalva?
Ela me bombardeava com Jesus.

E formei... Magistério (arg!) minha mãe que escolheu... Pedagogia (nossa!) minha procuradora errou o curso...! E a minha dança? E a minha música?

Outro Vestibular – UFBA. Dança? Balé para quem só tinha Dança de Rua, Madonna e Flashdance!

Canto?! Tive medo de enfrentar; achei que fosse ópera. 
Sem saber perdi a chance de 20 vagas pra 1...
Aqui está o lamento de minha vida. Mas passei em Ciências Sociais. Socióloga? Antropóloga? Política? Quem? Eu?
Fiquei com Pedagogia mesmo(UEFS).
É que faltou dinheiro para ficar em Salvador.


MÚSICA – MEU FÔLEGO.
Composições, festivais, Premiações.
Traidores da Pátria (a banda não saiu da garagem de Dodora), Asas Douradas (primeira banda)... E tome Roxette, Paula Toller e Daniela Mercury (que contraste!).

Seminário de Música da UEFS...
Trocaram minha prova (?) Fui parar no coral!!!
SOPRANO... Sebastian Bach ... que maravilha!
Mas as minhas canções iam para debaixo do tapete.
Dezenas delas...

Meu tio faleceu, o Babaloo da família, o carequinha.
Deixei a especialização em Educação Infantil para lá.
Minha mãe não podia ficar sozinha.
Voltei para a terrinha amada... (continua)

0 comentários

Postar um comentário

Deixe aqui a sua contribuição,pois a sua opinião me inspira.