Online


12 de outubro de 2009

O DESPERTAR

A minha alma de poeta
Que a muito se calou,
Despertou nesta manhã
Como virgem adormecida
que desperta para o amor.

Ouço gritos no silêncio,
vozes que querem sair
Quase explodem o meu peito
E não se pode amar direito
Se o canto não fluir.

Os sinais da descoberta
Logo, logo vão surgindo
Sorrisos bobos e regozijo
Vontade de pular e correr
Um não caber-se em si.

Farei versos ao Rei
Publicarei o meu amor
Dividirei com outros povos
O cheiro do meu Amado.

Bárbara Guedes

2 comentários

Hermes C. Fernandes 12 de outubro de 2009 19:03

Parabéns pelo trabalho no blog. Já estou seguindo!

Aproveito para lhe convidar a conhecer o meu blog, e se desejar também segui-lo, será uma honra.

Seus comentários também serão muito bem-vindos.

www.hermesfernandes.blogspot.com

Te espero lá!

Bárbara Guedes 2 de novembro de 2009 00:04

Ok, meu amado! Agradeço.
Já entrei lá e já sigo também.

Um abraço.

Postar um comentário

Deixe aqui a sua contribuição,pois a sua opinião me inspira.