Online


21 de janeiro de 2010

Cinco Anos Sem Lucy...


Os dias 18 e 19 de janeiro de 2005 foram marcantes para minha família.
Velamos o corpo no templo. As pessoas estavam surpresas com a partida de Lucy, pois ela tinha apenas 39 anos e estava bem.
O templo ficou repleto de pessoas e algo incrível aconteceu. O velório foi transformado num fervoroso culto de louvor e gratidão a Deus.

 
O Senhor me usou tremendamente na palavra e no louvor.
A glória do Senhor derramou-se ali e Sua presença era palpável...todos os presentes foram impactados.

Muito amigos católicos se admiravam da nossa fé ou da nossa “força”, como alguns diziam. Mas sei que o que fui capaz de fazer não foi por mim.
Um poder maior me conduzia e a aquela presença de espírito, tranquilidade e convicção ao cantar e tocar e ao fazer aquela reflexão foi precedida de um momento completamente incomum para mim.

Momentos antes, no fundo do templo, o Espírito Santo me tomou em línguas de uma maneira como eu ainda não tinha experimentado; parecia ter sido ligada numa turbina hidrelétrica.

Debaixo de poder e glória o sonho de Lucy se realizava. Lá estava a multidão no templo por causa dela...

Passamos dias muito tristes. Lucy era minha única irmã. Apesar de ter mais irmãos por parte de pai, perdemos o contato desde quando meu pai falecera a mais de 20 anos atrás.

Sendo a mais velha, Lucy procurava cuidar de mim, me proteger. Mesmo tendo formado a sua família, mantínhamos uma relação muito estreita. Praticamente todos os dias, ela passava aqui em casa, depois que voltava do trabalho.

Ela era escrevente de cartório. E todos no seu trabalho sentiram muito a sua partida repentina. Até o Dr. Glauco, juiz da comarca, demonstrou sua consternação nos escrevendo uma carta, pois estava viajando.

Ele teceu elogios à pessoa dela e disse que pegou a Bíblia que ganhara de Lucy, dobrou os joelhos e, mesmo não sendo religioso, orou a Deus por ela. E ao abrir a Bíblia se deparou com a passagem onde Jesus, após ter cumprido tudo que lhe fora incumbido por Deus, disse-Lhe que entregava seu espírito nas mãos Dele.
O juiz concluiu sua carta nos afirmando: “Lucy nos deixou porque cumpriu a sua missão”.

Na igreja, a saudade foi muito grande. Os irmãos demoraram para se acostumarem com sua ausência.

Lucy era muito ativa, dedicada com as coisas de Deus, atenciosa com os irmãos.
Artista habilidosa; criava muitas coisas para ornamentar o templo, o altar nas Marchas, a decoração nos eventos da igreja, casamento de irmãos; roupas, acessórios, biscuit e tantas outras criações artesanais.

Sentimos demais a falta dela. Quantas vezes atendi o telefone achando que era ela ligando para contar alguma coisa boa ou pedir oração por alguém...! Ou então eu ligava para sua casa para filar o jantar... até que me lembrava...

Não tenho palavras... Tem pessoas que jamais serão substituídas.

Senhor, muito obrigada pelo presente que foi Lucy em nossas vidas.

Obrigada porque ela buscou sempre te agradar. Obrigada porque ela sempre foi uma parceira na minha vida.

Obrigada pela filha linda e forte que ela nos deixou. Obrigada porque ela deixou muitos amigos e admiradores.

Obrigada porque o Senhor a mantivera firme no Teu reino. Obrigada porque ela foi sempre zelosa das Tuas coisas.

Obrigada pelas vidas que ela abençoou. Obrigada porque ela nunca será substituída. E, acima de tudo, obrigada porque um dia nos reencontraremos na Tua Presença e por toda eternidade.

Pai, muito obrigada pela irmã que me deste.

Confira os links para o relato desta história que foi revelada através de sonhos:

Sonho ou Revelação - parte 1   
Sonho ou Revelação - parte 2                        
Lucy Também Sonhou - parte 3                       
E o Sonho se Cumpriu           

0 comentários

Postar um comentário

Deixe aqui a sua contribuição,pois a sua opinião me inspira.